Fecunda missão evangelizadora com o Espírito e Feliz Festa de Pentecostes!

el-espiritu-santo
Estimados Irmãos e Irmãs!

Com a permissão do autor Pe. Itacir Brassiani, segue essa introdução
abaixo. "PREZADOS AMIGOS E AMIGAS! ESTAMOS EM PLENA SEMANA DE ORAÇAO PELA
UNIDADE DOS CRISTAOS.O TEMPO É DE SUPLICA AO ESPIRITO, PARA QUE NAO
VIVAMOS COMO ORFAOS, NEM COMO FRAGMENTOS. PEDIR QUE VENHA O ESPIRITO, É
PEDIR QUE NOS VENHA O DIVINO INCOMODO, AQUELE QUE NAO DEIXA AS COISAS
FICAREM COMO ESTAO, QUE FAZ NOVAS TODAS AS COISAS, QUE ABRE CAMINHOS QUE
NAO TOLERAM ATALHOS... VEM, ESPIRITO SANTO, E RENOVA A FACE DA TERRA,
COMEÇANDO POR NOS E NOSSAS IGREJAS... ITACIR MSF"
Com essa motivação, lhes desejo fecunda missão evangelizadora com o
Espírito e Feliz Festa de Pentecostes!

Ir. M.Liani

A diversidade é uma bênção que vem do Espírito Santo

A experiência do Espírito Santo é o ponto de chegada da caminhada pascal. Reunidos em comunidade, pedimos que o Espírito renove em nós os prodígios que realizou no início do cristianismo. Nossa prece é que o Sopro de Deus nos dê respiro e vida, nos ensine a testemunhar e anunciar o Reino de Deus na língua das diversas culturas, aumente nosso apreço pela diversidade, derrube os muros que nossos medos e prepotências ergueram, abra as portas das nossas igrejas e as empurre para a missão. Enfim: convoque todos homene e mulheres de boa vontade para a seleção que joga a favor da vida vida.

O Espírito Santo é dom, presença e força vital de Deus nas suas criaturas e nos caminhos da história. Ele suscita e sustenta a comunhão entre o Pai e o Filho; possibilita e mantém a comunhão dos cristãos entre si e com Cristo como sua cabeça; possibilita a comuhão entre as diferentes Igrejas; abre todas as criaturas para uma interdependência e colaboração essecial e vital. E cumpre esta obra maravilhosa criando e sustentando a riqueza da diversidade. Um mundo uniforme seria feio, frio, falso…

A diversidade de línguas, culturas e também é dom do Espírito, bênção de Deus e uma forma de proteger a humanidade. Sendo uma e única, a humanidade vê, sente, pensa, age, trabalha, crê, celebra e se comunica mediante diferentes linguagens. A imposição de um pensamento único é meio caminho para construir impérios que asseguram a dominação dos mais fortes e espertos sobre os mais fracos. O próprio Deus dispersa os povos e arruína o projeto de uma cultura uniforme e prepotente.

Mas será que podemos afirmar isso também em relação às religiões e Igrejas cristãs? Jesus é muito aberto em relação às diferenças religiosas: mesmo sendo judeu, ele respeita o movimento samaritano e demonstra apreço pela postura religiosa de pessoas pagãs. Chega a dizer que o que importa não é a religião, mas a prática e a lealdade (cf. Jo 4,23). E as primeiras comunidades cristãs seguem o mesmo rumo, louvando a Deus pela experiência e pela vivência espiritual de gente de diferentes religiões.

Na evangelização e na ação pastoral, o valor da diversidade se expressa na inculturação. Não deixa de impressionar como o relato dos Atos dos Apóstolos sublinha que cada um os diferentes grupos étnicos e culturais reunidos em Jerusalém na manhã do pentecostes escuta a pregação dos apóstolos na sua própria língua de origem (cf. At 2,6.8.11). É isso que causa espanto e admiração, além de uma certa confusão nas mentalidades muito arrumadinhas. O que impressiona é propriamente a diversidade!

Outra importante expressão da presença ativa do Espírito Santo no mundo e nas pessoas são os vínculos de amor, amizade e solidariedade. Onde o Espírito é acolhido, as pessoas isoladas se reúnem, os membros formam um corpo. É uma comunhão que ultrapassa os indivíduos e se estende às coletividades humanas, às organizações sociais e a todas as criaturas. O Espírito impede que sejamos fragmentos desarticulados, perdidos no tempo e no estaço: ele nos transforma em equipe!

Mas o Espírito Santo não se coaduna com o silêncio omisso, com o individualismo espiritual, com a submissão medrosa ou com a passividade irresponsável. Ele é a força de ação de Deus na história, a força da ação libertadora de Jesus Cristo. Ele nos é enviado como dinamismo missionário, como capacidade de gerar o homem novo e a nova sociedade: partilhar o pão, curar doenças, perdoar e acolher pecadores, anúnciar o Evangelho, denunciar as opressões, partir em missão.

Segundo o Evangelho, os discípulos são enviados por Jesus com o “Sopro” do Espírito para, como ele, “tirar o pecado do mundo”: superar e eliminar as práticas de dominação em si mesmos e nas instituições sociais, políticas e religiosas. E isso com sentido de urgência, sem deixar para depois, pois o pecado que for tolerado continuará produzindo seus frutos amargos. Nada de portas fechadas, nem de braços cruzados! A afirmação da diversidade vai de mãos dadas com a missão!

Deus Pai justo e Mãe compassiva, fonte da diversidade, origem e meta da missão: como nossos pais e mães o fizeram no passado, esperamos e suplicamos o precioso dom do teu Espírito. Que ele venha como Vento que arrasta o pó acumulado nas velhas leis, estruturas, ritos e posturas. Que ele venha como força de Comunhão respeitosa e benfazeja de povos, culturas, religiões, Igrejas e movimentos. Que ele venha como Terremoto que acorda e desestabiliza uma Igreja que dorme e se sente segura.  Que ele venha como Fogo e gari, que leva embora o lixo do pecado e purifica a Vida. Que ele venha com a suavidade da Brisa que celebra a diversidade e revigora quem quase perdeu a esperança. Assim seja! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s